Amélia Gibson

Nasceu na casa de Ponte D'Uchoa em 07 de janeiro de 1858, tendo ficado orfã aos 04 anos de idade. 

Não dispomos de muitos dados sobre Amélia e Luis Lemos Milet em seu trabalho sobre Henry Gibson, informa que Henry teve três filhos não registrados na Igreja Anglicana: José, George e Amélia. Acho que teria sido mais prudente informar que o registro não foi encontrado, haja visto não haver razão para que o mesmo não tenha sido feito.


Segundo anotações familiares e de acordo com os proclamas publicados no Jornal do Recife, no ano de 1874, aos 16 anos, casou-se Amélia na Igreja da Boa Vista com Augusto Xavier Carneiro da Cunha, filho de Diogo Soares de Albuquerque e Ignácia Xavier Carneiro de Albuquerque (e o Cunha?).  Augusto tinha na época 28 anos.

Consta sobre o casal Amélia & Augusto, dados de uma escritura de venda lavrada em 13 de junho de 1876, de um sítio denominado São Boa-Ventura, na Capunga, distrito de Beberibe pela quantia de 800$000 Rs.

Desta forma fica claro que eles detinham também a posse de parte das propriedades deixadas por Henry Gibson, igualmente aos outros filhos registrados na Igreja Anglicana. 

Augusto Xavier foi coronel da Guarda Nacional, tabelião do Primeiro Cartório de Notas do termo de Jaboatão, tabelião de Orphãos de Jaboatão e Colector Federal em Olinda, cargo este que ocupava quando de seu óbito, aos 64 anos de idade.  Empreiteiro e Administrador de obras públicas (construiu a ponte sobre o Rio Doce em Olinda e administrou a construção do prédio da Faculdade de Direito do Recife). Empresário. Anotações de Galdino Duprat informam que o mesmo nasceu em 12 de dezembro de 1846.

Pesquisando o Jornal do Recife e A Província, encontramos as seguintes informações sobre Augusto Xavier Carneiro da Cunha:

A Província, edição de 20 de novembro de 1875: notícia de sua demissão do cargo de Administrador do Cemitério Público.  Nesta mesma edição A Província faz críticas à administração municipal pela substituição de Augusto Xavier. Informa ainda que a Câmara Municipal não tinha aceitado a demissão de Augusto feita pelo Presidente da Província;

A Província, edição de 1 de março de 1890: Augusto Xavier "requer permissão para estabelecer no Jardim Público da Praça da República, a collocação de cadeiras e mezas pequenas ao redor do pavilhão com venezianas portáteis, afim de prover com refrescos e bebidas. Obrigou-se o suplicante a fazer a sua custa a pintura do pavilhão, das estátuas e candieiros que forem mais juntos ao pavilhão. Pretende o suplicante nas noites de verão dar pequenos concertos de musica instrumental, e promover outras distracções ao público";

A Província, edição de 24 de junho de 1890 - Augusto Xavier Carneiro da Cunha aparece na relação dos eleitores de Recife, distrito de Afogados;

A Província, edição de 05 de março de 1891: aparece como mesário da 3a. seção - Freguesia de Afogados;

Jornal do Recife, edição de 12 de março de 1891, Augusto Xavier Carneiro da Cunha aparece como administrador das  "Obras de Construcção do Edifício destinado a Faculdade de Direito do Recife";

A Província, edição de 24 de março de 1891, sob o título Escrivães Federais, a informação:  "Já estão em exercício os escrivães do Juizo Seccional, Augusto Xavier Carneiro da Cunha e Antonio Ferreira Braga. Têm ambos escriptorio a Rua XV de novembro, no. 81 - 10. andar";

Jornal do Recife, edição de  07 de abril de 1891:  Em critica ao ex barão de Lucena (ex porque a Monarquia estava finda), o JR denuncia que o mesmo estaria criando uma oligarquia com a nomeação de vários parentes seus, para cargos importantes.  Numa extensa relação de beneficiados, surge:   "Augusto Xavier Carneiro da Cunha (parente) ex escrivão de Jaboatão, é hoje administrador das obras da academia, avaliador da Fasenda e ultimamente Escrivão Federal (sendo para sua nomeação demittido o escrivão Rego Barros que servia neste lugar vitalício há 30 annos);

A Província, edição de 23 de outubro de 1891 - "Augusto Xavier Carneiro da Cunha concessionário de salinas no litoral d'este estado, tendo organizado uma sociedade sob a firma Xavier & C, pede para ser a mesma admittida a assignar no Thesouro do Estado termo de responsabilidade, ficando-lhe subrogada activa e passivamente na concessão que lhe foi feita";

Jornal do Recife, edição de janeiro de 1892: "Enquanto o Ministério da Agricultura de tempo do Sr. Lucena fazia contracto com um parente deste, o sr. Augusto Xavier Carneiro da Cunha, ex escrivão de Orphãos de Jaboatão, há pouco administrador de obras nesta cidade, para fornecer todo material fixo e rodante que for necessário as estradas de Ferro de Alagoas, Pernambuco e Parahyba do Norte, contracto que acaba de ser desfeito pelo novo ministro, por não justificar-se a necessidade de incumbências dessa natureza, visto haver na Europa e nos Estados Unidos da América uma comissão de compras desses materiaes";

Jornal do Recife, edição de 15 de novembro de 1892, nos despachos do Governo do Estado de 12 de novembro de 1892: "informe o Inspector do Thesouro do Estado que Augusto Xavier Carneiro da Cunha, está propondo ao Governo a venda de um prédio de sua propriedade para servir de cadeia e quartel em Jaboatão";

Jornal do Recife, edição de 15 de novembro de 1894: vimos que o Governo do Estado declara caduco vários contratos, entre eles o  "Contracto de 04 de março de 1891, com Augusto Xavier Carneiro da Cunha para exploração de Salinas";

Ainda:  "Contracto de 21 de março de 1891, com Augusto Xavier Carneiro da Cunha para usinas para descaroçar algodão em Garanhuns, Nazareth e Timbauba";

Jornal do Recife, edição de 08 de janeiro de 1895, nos despachos do Governo do Estado (Secretaria dos Negócios da Industria do Estado de Pernambuco) vemos:  "Augusto Xavier Carneiro da Cunha, propondo-se a concluir a estrada de rodagem que parte da cidade de Jaboatão ao povoado da Luz, já iniciada e em tráfego até o Engenho Camassary”;

A Província, edição de 26 de agosto de 1900: seu nome surge como passageiro do vapor nacional Pernambuco com destino a Maceió;

A Província, edição de 31 de janeiro de 1901: "Secretaria da Industria - Despachos de ante-hontem:  Augusto Xavier Carneiro da Cunha contractante das obras da ponte sobre o rio Doce em Olinda replicando contra o despacho do governador do estado exarado em sua petição de 2 de janeiro que solicitava prorrogação por mais 90 dias para entrega da dita obra - Deferido à vista de novas informações";

A Província, edição de 02 de maio de 1901: "Augusto Xavier Carneiro da Cunha sua mulher e filhos, convidam seus parentes e amigos  para a missa que as 8 horas da manhã do dia 06 do corrente mandam celebrar na Matriz de Jaboatão por alma de sua chorada mãe, sogra e avó d. Ignacia Xavier Carneiro da Cunha";

A Província, edição de 23 de fevereiro de 1902: informa que foi nomeado colector federal em Olinda o coronel Augusto Xavier Carneiro da Cunha;

A Província, edição de 22 de janeiro de 1910:  "AUGUSTO XAVIER CARNEIRO DA CUNHA  -  D. Amelia Gibson Carneiro da Cunha e suas filhas, Laura Carneiro Campello e seus filhos, Maria Amelia Carneiro da Cunha, Esther Carneiro da Cunha (ausentes), Paulino de Menezes e sua mulher, Maria Eugenia Carneiro Menezes (ausente), Maria da Conceição Carneiro da Cunha, Júlia Carneiro da Cunha, Judith Carneiro da Cunha, Mario Xavier Carneiro da Cunha, e Renato Carneiro da Cunha, tendo recebido a infausta noticia do fallecimento do seu presado marido, pae, avô e sogro, mandam rezar uma missa pelo seu eterno descanço no dia 24, às 8 1/2, na Matriz de Santo Antonio, para a qual convidam seus parentes e amigos, confessando-se desde gratos a todos que comparecerem a este acto de religião e caridade";

A Província, edição de 25 de janeiro de 1910: "AGRADECIMENTO  -  a viúva, filhas genros e netos do fallecido coronel Augusto Xavier Carneiro da Cunha agradecem de coração a todas as pessoas que vieram assistir as missas que, pelo descanço eterno de sua alma, mandaram rezar na Matriz de Santo Antonio.  Recife, 24 de janeiro de 1910";

Deixou o casal os seguintes filhos: Maria Amélia, Maria Eugenia (Paulino Baptista de Menezes, filho de Camillo e Francisca Menezes), Maria da Conceição, Esther (Augusto Moreira da Costa Lima, filho do dr João Moreira da Costa Lima), Laura, Mário Xavier, Júlia (Oscar Moreira da Costa Lima, filho do dr João Moreira da Costa Lima), JudithRenato (que faleceu solteiro).


Sobre Maria Eugenia, o Jornal do Recife na sua edição de 21 de agosto de 1914, traz a noticia de seu falecimento com o convite para a missa:

MARIA EUGÊNIA DA CUNHA MENEZES

Paulino de Menezes e sua família, Amélia Gibson Carneiro da Cunha e sua família, dolorosamente e impungidos com a infausta notícia por telegramma que receberam de Las Palmas (Gran Canarias) do falecimento de sua esposa, filha, irmã, cunhada e tia, Maria Eugênia da Cunha Menezes convidam a todos os parentes e amigos a assistirem às missas que mandam celebrar no convento de São Francisco, segunda feira dia 24 do corrente, às 8 horas, sétimo dia de seu  fallecimento.

Penhorados agradecem a todos que comparecerem a este acto de religião e caridade.

Recife, 19 de agosto de 1914

Desta nota, podemos concluir/supor que:

1.  Apesar do viúvo estar sendo relatado como "Paulino de Menezes e sua família", Maria Eugênia não é citada como mãe.  Supomos que não deixou descendentes;

2.  O óbito foi comunicado por telegrama. Com certeza ela já não residia ou não se encontrava em PE.  Aonde, então?   Que estava fazendo fora do Brasil?


3.  Como casou em 1874, Maria Eugênia, a segunda filha do casal deve ter nascido em torno de 1877.  Teria portanto cerca de 37 anos quando do seu falecimento.

No Diário Oficial da União de 29/out/1909, pag 21 - seção 1, temos noticia de que Antonio Luis Alves Pereira foi autor de uma ação contra a empresa ALBINO & CUNHA, e como o réu Augusto Xavier Carneiro da Cunha que "se encontrava ausente, em lugar incerto da Europa". O Juiz autorizou a citação do mesmo por edital.  Trata-se de homônimo?

Na imagem 51 do Livro dos Matrimônios da Igreja do Santíssimo Sacramento, 1908/set - 1922/maio, temos o registro do casamento de Esther Xavier Carneiro da Cunha & Augusto Moreira da Costa Lima, que ocorreu em oratório particular na freguesia de Estância - Recife. O noivo era filho do Dr. João Moreira da Costa Lima & Maria Carmosina da Costa Lima, alagoanos residentes em Recife. Foram padrinhos o Doutor João Ribeiro de Britto e Manuel Netto Carneiro Campello.

Na edição de do JR de 06 de fevereiro de 1912 os seus proclamas: "Augusto Moreira da Costa Lima, natural de Alagoas e Esther Carneiro da Cunha, natural deste Estado, solteiros, residentes no districto da Boa-Vista".

Augusto foi um dos oito filhos do tenente-coronel João Moreira da Costa Lima, médico cirurgião do Exército e que ocupava a chefia do serviço de saúde da 5a. Região Militar, quando de seu óbito aos 57 anos, ocorrido repentinamente em sua residência na Rua Princesa Izabel, no. 8, no dia 02 de março de 1912 (JR edição de 03 de março de 1912). Deixou viúva, D. Maria Carmosina da Costa Lima.

Dos seus sete irmãos temos notícias de

1.    Adelaide Costa Lima Rego Barros, que foi casada com o dr. Sebastião do Rego Barros Júnior, professor da Faculdade de Direito.  Adelaide nasceu em 1882 e faleceu aos 33 anos na Uzina Cachoeira Lisa (JR edição de 29 de Janeiro de 1915). Deixou 06 filhos: Carmen, Aracy, Ruy, Gilberto, Ruth e Gil.
2.    Oscar Moreira da Costa Lima, que foi casado com Júlia Carneiro da Cunha, irmã de Esther sua concunhada. Dois irmãos, casados com duas irmãs.

Anotações familiares (Duprat) informam que o casal Esther & Augusto tiveram os seguintes filhos: Ruy Moreira da Costa Lima, Ruth, Nair (que foi casada com Newton Costa, filho de Antonio e Valdenizia Costa e que faleceu em 07 de junho de 1941 aos 20 anos de idade) e Lucia. Na realidade essas informações fornecidas por Duprat estão equivocadas tendo sido corrigidas pela prima Caroline, neta de Nair, em email de 15.junho.2016:

“O casal que teve esses filhos foi Oscar Moreira da Costa Lima (irmão de Augusto) e Júlia Carneiro da Cunha (irmã de Esther). Nair foi casada com Milton Costa, filho de Antônio e Waldomira Costa. Eles tiveram 3 filhas (Ana Maria, Maria Cristina e Nair Maria), uma delas minha mãe.

O casal Augusto e Esther tiveram 3 filhos, que na família eram chamados de Carminha, Nininha e Eugênio”.


Sobre a filha Laura, foi casada em primeiras núpcias com Antonio José Carneiro Campello e tiveram 02 filhos: Maria de Lourdes Carneiro Campello que em 11.dez.1935 casou com Jarbas de Arruda Peixoto - filho de José e Ana Claudina Soares Peixoto e Antonio Augusto Carneiro Campello.  


Em segundas núpcias, Laura casou com João Alves da Costa e tiveram 01 filha: Maria Thereza Alves da Costa.

Colhemos na mídia da época notícias sobre os filhos do casal Augusto & Amélia, mas nos deparamos com muitos homônimos. Transcrevemos algumas delas que nos pareceram mais confiáveis.

Jornal do Recife, edição de 26 de maio de 1920: "proclamas de Mario Xavier Carneiro da Cunha, farmacêutico, residente a rua Luis do Rego e D. Maria Dolores de Albuquerque e Silva, residente a rua Conde da Boa Vista, solteiros, naturais deste Estado".

Jornal do Recife, edição de 12 de maio de 1889  -  o nome de Esther Carneiro da Cunha como componente da barraca 13 de maio, nos festejos realizados pela Mocidade Acadêmica, para festejar o primeiro aniversário da Lei de 13 de maio.

Jornal do Recife, edição de 23 de março de 1906:  "COUPONS  -  Nos enviaram 1.300 coupons para a LIGA CONTRA A TUBERCULOSE, mmle. Esther Carneiro da Cunha em regozijo ao aniversário natalício de sua irmã e madrinha Maria Eugenia da Cunha Menezes, que hoje passa".








Caso você queira contribuir com nosso trabalho, com outras informações, fotos ou documentos que possam enriquecer esta postagem, pedimos que entre em contato com gustavogibson@gmail.com  Todos agradecemos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget