O Grande Encontro

Há 150 anos atrás, em 03 de dezembro de 1862, falecia Henry Gibson, em Recife – Pernambuco.

Temos uma boa noção de quem foram seus descendentes, mas quase que um desconhecimento completo sobre a Familia Oliveira, de Alexandrina Rosa e que respondem com 50% de nossa herança genética inicial.

Dos irmãos de Alexandrina, temos notícias de descendentes de apenas três deles: Maria Adelaide Oliveira – que casou com Edward Fox e posteriormente foi morar na Inglaterra; Eduardo Candido de Oliveira – cujo filho Henrique casou com a prima Elvira Magalhães; e Umbelina Joaquina de Oliveira, que casou com José Rodrigues Pereira.

Sabemos que um sobrinho de Henry – Henry Gibson Greaves, trago da Inglaterra pelo Henry em 1853 casou com uma das irmãs de Alexandrina, a Hermínia Josephina de Oliveira. Como desconhecemos qualquer pessoa com o nome de família Greaves, somos forçados a imaginar que o casal não teve descendência, ou não teve filhos varões que mantivessem a continuidade do nome Greaves. Henry Gibson Greaves faleceu em Recife em 1882 aos 48 anos de idade.

Nos parece que existia na época do casamento de Henry & Alexandrina, uma forte relação de amizade de Henry com os concunhados Edward Fox e José Rodrigues Pereira. Inclusive eles são nominados como testemunhas do casamento de Henry e posteriormente Henry foi padrinho de casamento de Edward e Maria Adelaide.

Mary Gibson, filha de Henry, foi várias vezes encontrada pelo Censo Inglês como hóspede dos tios Edward & Maria Adelaide, seja na Recife's House ou na Olinda's House, e até mesmo depois de casada com Edward Paton.

José Rodrigues Pereira e Umbelina, tiveram um filho, que foi batizado com o  nome José e os seus descendentes se fixaram no norte do País. Na certidão de batismo de José, vemos que seus padrinhos foram a avó materna Maria da Conceição e Francisco Gomes de Oliveira, tio paterno de Umbelina.

Se antes existia uma relação próxima entre os filhos de Alexandrina, Maria Adelaide e Umbelina, o tempo se encarregou de afasta-los.

Após o falecimento de Henry e Alexandrina, o Brasil viveu o fim da escravatura – com grandes consequências econômicas para o Pernambuco agrícola de então, a queda do Império com a instalação da República, a Guerra do Paraguai, a instalação do Estado Novo  e as duas Grandes Guerras Mundiais. Estes acontecimentos influíram - direta ou indiretamente, na vida de todos.

Os Gibsons antigos se foram e os filhos destes também. Seus descendentes desenvolveram atividades profissionais e econômicas diferentes das iniciais, contraíram novas amizades, se associaram a outras famílias pelo casamento e muitos migraram para outras partes do Brasil e até mesmo para o exterior. Muitos de nós não nos conhecemos pessoalmente e até mesmo não sabemos sequer da existência de muitos de nossos primos.

Se a vida aproxima, a vida também afasta. É uma realidade.

Criei este site para divulgar as informações que detinha sobre nossa família que um dia, imaginei serem muitas. Santa inocência! Ouvi mais que falei, aprendi muito mais que ensinei, corrigi muitas informações que antes supus serem verdadeiras e conheci muitos parentes. E ainda hoje, sei que nada sei!  Porem, o mais importante de tudo: estimulei o interesse de outros Gibsons, o que me deixa tranquilo por saber que este trabalho inicial sobreviverá ao tempo. Sei que serei substituído e com certeza para melhor.

Através da Net, conheci vários primos e dois deles da família Oliveira: Sara Maybury, descendente de Edward Fox & Maria Adelaide e Gracy Andrade, descendente de José Rodrigues Pereira & Umbelina Joaquina.

Combinamos então promover um encontro para nos conhecermos, que passamos a chamar de  O Grande Encontro dos Oliveiras, que ocorreu em 28 de setembro de 2013 em Recife (onde nossa história comum começa) e foi considerado pelos que compareceram como um sucesso.  Reservamos 40 lugares no restaurante e para nossa grata surpresa tivemos a presença de 70 parentes, vindos de varias partes do Brasil. Os ramos Gibson, Fox e Andrade Ribeiro estiveram bem representados. Vieram Gibson de Minas Gerais (Gustavo e Sandra), do Ceará (Eduardo com a noiva Laurice e as irmãs Cláudia e Denise), do Rio Grande do Norte (João Gibson Neto e Rosinha com a mãe ...., e da Paraiba (Magnólia & Edison, com o filho Gustavo Gibson Silva - meu homônimo e as netas Beatriz e Amanda). 

E os Gibson residentes em Pernambuco se fizeram presentes, é claro. 

Os Andrade Ribeiro vieram do Rio de Janeiro (Gracy & Dagoberto) e do Pará (Edmundo, noiva e mãe, Graça). 

Os Fox (Keith & Sara), vieram da Inglaterra. 

Tivemos a presença de um patriarca - Newton Gibson e de uma matriarca - Lourdes Gibson. Nascidos e residentes em Recife, eles viveram - seja como protagonistas ou como testemunhas, todos os acontecimentos da família Gibson nestes últimos 80 anos.

Em um outro extremo, tivemos a alegria de podermos contar com as senhorinhas Beatriz e Amanda, "teen ages", que viverão ou testemunharão os próximos 80 anos da família Gibson. Nesta linha do tempo se encontram 160 anos de nossa história familiar.

Após mais de 100 anos, tivemos um reencontro dos Oliveiras - ramos Gibson, Fox e Rodrigues Pereira. Resgatamos nossos contatos e espero que sejam preservados. 


Gustavo Gibson




História familiar de  SARA  MAYBURY



Este trabalho foi feito por Sara e traduzido por mim, Gustavo. A prima Gracy colaborou com a revisão da tradução mas o texto original em inglês encontra-se a disposição mediante solicitação. Perdão por qualquer erro desapercebido. 

Quando criança tinha curiosidade de saber, ou melhor, de imaginar como teria sido nossa vida caso Henry  tivesse voltado para a Inglaterra após o casamento com Alexandrina - como fez Edward Fox & Maria Adelaide. Acho que a historia de Sara poderia ter sido a de qualquer um de nós.

Com a palavra, nossa prima Sara Maybury: 


Edward Henry James Fox (EHJF) nasceu em 14 de junho de 1816, em Middlesex  (próximo a Londres). Ele foi o filho mais velho de William Fox & Harriet Randall Brickell, tendo sido batizado em 29 de setembro de 1816, na Igreja de St. Leonard, em Shoreditch.



No Censo Inglês de 1841, não existem notícias dele.


A tradição oral da família Fox nos diz que ele conheceu Maria Adelaide de Oliveira quando ela tinha 15 anos de idade e como ela nasceu em 1826, eles devem ter se conhecido em 1841 - portanto, podemos supor que ele já estava no Brasil naquele domingo, dia 06 junho de 1841, data na qual o Censo Inglês foi realizado.



Edward Fox e Maria Adelaide se casaram em Pernambuco, no dia 11 de março de 1847, quando Maria Adelaide atingiu a maioridade, tendo Henry Gibson como padrinho.



Tiveram treze filhos:  Harriet, nascida em Pernambuco em dezembro de 1847;  Mary, minha bisavó, nascida 10 de junho de 1850, em Pernambuco;  Edward Henry, nascido em 1851, em Pernambuco;  Emily, que nasceu em Londres no dia 28 de julho de 1852; William George, nascido em dezembro 1853 e batizado em 09 de dezembro na West Hackney ChurchAmelia que nasceu em 1855 no Brasil;  Adelaide, que também nasceu no Brasil, em 1857;  John Henry que nasceu em Sydney Place, Hackney, em fevereiro de 1858;  Charles James que nasceu em 14 de março de 1859 na Reciffe House, em Londres;  Frederick que nasceu em 13 de julho de 1860, também na Reciffe HouseJessie, que nasceu em dezembro de 1862 em Stoke Newington;  Arthur Edwin, que nasceu em Setembro de 1864 na Church Street, Stoke Newington, (ele morreu em 18 de agosto de 1865) e Winifred, nascido em 01 março de 1868 em Stoke Newington.     Edward voltou do Brasil pela última vez em 1858.

Edward HJ Fox e seu irmão George Francis Fox foram comerciantes no Recife, negociando como “Irmãos Fox” e estavam estabelecidos na Rua da Conceição. George Francis Fox morreu de febre tifóide em Pernambuco, no dia 06 de junho de 1853, com a idade de 35 anos, deixando a esposa Maria, três filhos e uma filha.  Os filhos George e William nasceram em Pernambuco e Oswald e Marion, nasceram na Inglaterra.



Mary Fox, minha bisavó, nasceu em Pernambuco em 1850 e veio para a Inglaterra pela primeira vez, quando já estava com oito anos de idade. Meu pai - que a adorava, dizia que se recordava dela como uma mulher pequena, que falava um inglês com sotaque português. Ela se casou com Richard Douglas Hellaby em 26 de Outubro de 1875 em “Port Elizabeth”, África do Sul, onde ele era Gerente de Vendas para um comerciante estabelecido naquela Colonia.



Posteriormente, já em Londres, Richard enfrentou juntamente com seu irmão, um processo de falência, depois que herdaram a empresa do pai.



Mary e Richard tiveram dois filhos: Maria Adelaide, que nasceu na África do Sul em 1876 e o meu avô - Richard Edward, que nasceu em 14 de outubro de 1877, a bordo do veleiro ‘Edinburgh Castle’ da Colônia do Cabo. Como Richard se encontrava em fase avançada de tuberculose, decidiram voltar para a Inglaterra, onde ele veio a falecer em 2 de fevereiro de 1878 na “Olinda House”, em Stamford Hill, Londres, casa esta que pertencia à sua sogra Maria Adelaide Fox, já viúva e a seus filhos.


Richard Douglas Hellaby foi sepultado no túmulo da família Fox, no “Abney Park Cemetery”, de Londres, próximo à “Olinda House”.



Mary ficou então viúva aos 27 anos de idade, com dois filhos para cuidar. Ela foi apoiada principalmente por seu irmão Charles James Fox, um advogado da cidade de Londres e por suas irmãs solteiras. Ela tinha uma renda confortável, oriunda do Fundo Fiduciário, conseguido pelo seu vínculo matrimonial.



Mary Adelaide Hellaby também morreu de tuberculose, no ano de 1903, em Kent.



Richard Edward Hellaby conquistou uma bolsa escolar para o curso de Matematica da Haileybury, o que o ajudou com a anuidade. Ele ingressou na Dalgety’s (importante firma inglesa de importação e exportação até hoje existente) e tornou-se um comerciante do ramo de importação e exportação, viajando para o Continente (Europa), para a Australia e “abriu” o Leste da Africa para a firma “Shipping Livestock & Cia”  e para novos proprietários e fazendeiros.



Richard Edward Hellaby casou com Evelyn King, filha de Alfred King e Ellen Castle Southey, este um comerciante de madeira que morou na Rússia e nos Estados Unidos, onde Richard e Evelyn se casaram em 6 de dezembro de 1871 (em Jackson County - Iowa) e onde o irmão de Evelyn, Herbert Sinclair Southey King nasceu, em 1873. Evelyn nasceu em Londres, em 13 de setembro de 1875.



Alfred King morreu com apenas 32 anos, em Ramsgate – Kent, em 25 de julho de 1877.



Eles tiveram uma filha Evelyn Maria Hellaby, nascida em 1904 em Hampstead, Londres. Ela nunca se casou, mas se tornou uma enfermeira, posteriormente uma sister no Hospital St. Thomas e depois então uma inspetora do General Nursing Council. (Sister: cargo hierarquico máximo na carreira de enfermeira na Inglaterra. Uma curiosidade: a vestimenta delas vai mudando de acordo com a evolução da carreira. Iniciam com um uniforme totalmente branco que vai ganhando detalhes azuis com o tempo até atingirem um traje totalmente azul - ou vice versa, não me recordo mais. Porém nem todas conseguem atingir este estagio. Quando estive no John Radcliffe Hospital, em Oxford, fui alertado pelos brasileiros: "quando encontrar uma velhinha toda de azul nos corredores, bata continência!" É claro que quanto mais branco o uniforme, mais bonitas e receptivas elas são.)  


Ela morreu em Bath, Somerset, em 1989.



Victor Richard Douglas Hellaby, meu pai, nasceu em 19 de Outubro de 1910 em Bushey, Hertfordshire. Ele ingressou no Malvern College, saindo aos 15 anos para trabalhar na Dalgety’s, por insistência de seu pai. Ingressou na Companhia de Artilharia Honrosa, um Regimento Territorial no qual muitos homens que trabalhavam na cidade faziam parte.



Vivendo em Seaford - Sussex, depois de seu casamento em 10 de Fevereiro de 1934, com Marguerite Constance Merry na St. Ansem’s Church - Streatham, ele ingressou no Royal Sussex Regiment devido a sua mudança de cidade.



Contudo, ele sempre quis ser um padre anglicano.  A oportunidade surgiu quando foi ferido em ação, capturado e feito prisioneiro de guerra pelos alemães, como comandante de bateria na vanguarda do Exército Britânico em maio de 1940. No cativeiro, ele estudou Teologia com a ajuda da Cruz Vermelha e conquistou um External Degree (título de graduação à distância) da London University.



Após a Segunda Guerra ele foi para a Faculdade de Teologia e quando eu nasci em Eastbourne, 1947, ele já era um sacerdote. Minha irmã Angela nasceu antes da Segunda Guerra, em 1939.



Angela tem formação de professora por Camberwell, Londres e se casou com David Spencer Hamilton em 11 de agosto de 1962, em Eastbourne. Eles têm um filho – Andrew, nascido em 1965, e uma filha – Judith, nascida em 1968.


Andrew casou com Valerie Burton e têm três filhas e um filho.


Judith casou com Geoffrey Conall e têm uma filha e um filho.


Eu estudei para professora na mesma faculdade da minha irmã, o Gabriel’s College em Camberwell, que agora faz parte do Goldsmith’s College.



Casei-me com Nigel Keith Maybury (conhecido como Keith) depois que diplomei, em 27 de Julho de 1968, na St. Nicolas, Old Portslade, Sussex, quando ele ainda era um estudante em seu último ano do curso médio, no St. Thomas, e depois ingressou na Universidade de Oxford.



Temos dois filhos: Nicolas, nascido em Londres em 1970 e William, nascido em Londres em 1973. Ambos são casados: Nick com Hannah e seus filhos são George, Alice e Henry. William com Nicola e seus filhos são Thomas (Tom) e Katherine (Kate). (Depois que Sara escreveu este texto, já em outubro de 2012, nasceu a terceira filha do casal, de nome Isabella).



Keith e eu agora vivemos em Seaford, depois de vivermos em Londres, em Kent e, finalmente, em Wigan – Lancashire, (cidade próxima a GTH) durante 21 anos.

Nick, Hannah e seus filhos também vivem em Seaford, na casa onde Richard Edward Hellaby morreu em 1933 e onde sua mãe Mary (n. Fox) morreu em 1937. Minha avó, viúva de Richard, viveu nesta casa até que ela veio morar com meus pais no final de 1950.

Foi por ter vivido minha infância em Seaford - com a minha avó, e pelo fato de que meus pais se retiraram para Seaford, quando aposentados, entre outras razões, que Keith e eu decidimos aposentar aqui.



Abaixo fotos da prima Sara.

1971 2 Sara at Brightling Place bu Rayment Kirby
1973 Sara Maybury  London
photographer Rayment Kirby
1985 Sara Maybury
Royal Academy 2011 K&S
2008 Seaford June


House in Penambuco where Mary Fox was born in 1850
Mary Fox 1850  - 1937
Mary Hellaby [n. Fox] and Evelyn Mary about 1905
Mary Adelaide Hellaby 1876-1903

Richard Edward Hellaby 1877-1933
Evelyn Hellaby [n. King] 1875-1970

Victor Richard Douglas Hellaby 1910-1995
Marguerite Constance Hellaby [n. Merry]  1912-1996

Victor and Angela Hellaby in Seaford 1946
Victor, Margie and Sara Hellaby

While a vicar in Southwark, London, in the 1950s, Victor Hellaby
was Chaplain to the Pearly Kings & Queens of London.

Nigel Keith Maybury - Engagement 1968

                                                                                                             

Our house   -   Brighton
William, Nicola, Tom and Kate Maybury Summer 2011 in Brittany, France. (casa de propriedade de Keith & Sara)

Nick, Keith and George Maybury
Tree Planting our road 2011
Hannah and Alice are on the right.
Henry, George, Keith Maybury &
 neighbours 2011
Keith, George and Nick Maybury tree planting in
 Downs View Road, Seaford 2011
Alice and Kate Maybury Christmas 2011

Opps!   Black hair??   There is the smell of Oliveiras here!

Biografia Gracy


 Um dia alguém falou  que nós morremos duas vezes: a primeira, fisicamente, a segunda, quando os parentes, amigos e pessoas que conhecemos, deixam de lembrar de nós. É justamente essa segunda morte que queremos evitar em honra à memória daqueles a quem devemos a nossa vida e, em grande parte, o que somos.

Ao longo de minha pesquisa sobre os Rodrigues Pereira, meus ascendentes paternos, tive grandes alegrias que compensaram amplamente os meus esforços. Uma das mais significativas foi o dia em que recebi o primeiro contato da prima Sara Maybury indagando-me sobre a possibilidade de sermos primas. Parecia incrível o que a internet propiciava: o encontro de duas pessoas descendentes de ancestrais comuns que, embora morando em continentes diferentes e após cerca de dois séculos, iniciavam um processo de resgate de histórias e laços em comum.  Foi ainda Sara que me aproximou do primo Gustavo Gibson, outra grande alegria que vem sendo cultivada desde então.

A minha trisavó - Umbelina Joaquina de Oliveira - era irmã das trisavós de Sara (Maria Adelaide) e Gustavo (Alexandrina). Os pais delas eram José Antonio de Oliveira, português, comerciante radicado em Pernambuco, e Maria da Conceição d´Araújo, pernambucana. Ao que se saiba, o casal teve doze filhos. A Umbelina casou com José Rodrigues Pereira, comerciante radicado em Recife. Esse consórcio deu origem à família de meu pai e à tradição, que se mantém até hoje, de atribuir o nome José ao filho primogênito do primogênito. O filho único do casal chamou-se, portanto, José Rodrigues Pereira Júnior.

Pesquisando um pouco mais, descobri que o sogro da Umbelina, Rodrigo Miguel Pereira, 2º. Tenente da Artilharia de Milícias, tinha participado de um episódio da história de Pernambuco que culminou com a assinatura da Convenção de Beberibe.

Da ata, subscrita em 30.08.1821, por militares e civis, constam os nomes, entre outros, de José Antonio de Oliveira (pai da Umbelina, da Maria Adelaide e da Alexandrina), Francisco Antonio de Oliveira (Barão de Beberibe), Rodrigo Miguel Pereira (pai do José R. Pereira) e Alexandre José de Araújo Junior (tio-avô materno da Umbelina e irmãos. O pai de Alexandre havia sido sargento-mor da Vila de Recife, segundo informação do Galdino Duprat).

Eu havia me deparado com um significativo momento para todos ali reunidos e com um dos possíveis vínculos que haviam aproximado as famílias “Oliveira”, “Araujo” e “Rodrigues Pereira”.

Esse era um vínculo político, mas havia outros: a raiz portuguesa, a vida militar, a atividade comercial, enfim, eram pessoas que, em sua maioria, não pertenciam à tradicional “nobreza da terra”, que, muito pelo contrário, estavam batalhando arduamente por um lugar ao sol pernambucano.

Tantos vínculos acabaram por aproximar os ancestrais comuns a todos nós, José Antonio de Maria da Conceição, que, pouco antes daqueles acontecimentos, em 06.07.1821,  haviam se casado em Recife.

Dessas aproximações familiares participou, também, Rodrigo Miguel Pereira, ligação que seria estreitada, anos mais tarde, com o casamento de seu filho José Rodrigues Pereira com Umbelina Joaquina de Oliveira.

Todos eles, com efeito, haviam tomado parte, com sintonia de interesses, no mencionado episódio político ocorrido, em Pernambuco, no início do século XIX.

Esse acontecimento deve ser entendido dentro do processo de Independência do Brasil.

Aqui, portanto, abro um parêntese para contar uma rápida história que, para não prejudicar o veio principal de meu relato, anexo ao presente texto.(*)
A partir do filho do casal José e Umbelina- José Rodrigues Pereira Júnior - nascido em Recife, em 1843, a família viria a tomar novos rumos em direção ao Norte. O filho do comerciante, bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Recife, iniciava a ambicionada carreira jurídica, por seu prestígio, em Belém do Pará.

As razões para esse deslocamento, desconheço. Atribuo a possíveis vínculos de amizade surgidos com contemporâneos da Faculdade de Direito radicados em Belém, como por exemplo, Samuel McDowell.

Em Belém, José  Junior exerceu a magistratura na Comarca da Capital por vários anos e atuou, ainda, como Procurador Fiscal da Thesouraria da Fazenda do Pará.

José casou-se, em Belém, com Izabel Leitão da Cunha, filha do Barão de Mamoré, Ambrósio Leitão da Cunha e Maria José da Gama e Silva Leitão da Cunha.

No período de junho/1879 a abril/1880, José Junior assumiu o governo da Província, vinculado ao Partido Liberal e, em especial, ao Ministro da Fazenda, o Conselheiro João Luiz Cansansão de Sinimbu. Nesse período, nasceu mais um filho do casal, em Belém, perfazendo um total de seis: José Maria (1873), Maurício (1875), Ambrosina (1878), Edmundo (1879), Elia (1882) e Valéria (Nair – 1883).

José Jr. faleceu em 1886, no Rio de Janeiro, para onde foi com a família em busca de tratamento médico mais avançado.

Meu avô, José Maria, era comerciante como seu avô já o fôra. Embora sua mãe e irmãos tivessem permanecido no Rio de Janeiro, foi em Belém, onde a família era mais conhecida, que ele decidiu morar e iniciar seu comércio abrindo uma loja que vendia lustres e material elétrico.

Não cheguei a conhecer meu avô, falecido em 1925, quando meu pai, o caçula dentre três filhos, tinha apenas dez anos de idade. Tio José, o primogênito, tinha 22 anos e a tia Elia, 18 anos. Eram todos jovens e a casa de comércio passou a ser administrada pelo irmão de minha avó, Manoel Santa Rosa Gonçalves da Rocha, o tio Rocha, até o encerramento dos negócios muitos anos mais tarde.

Conheci, no entanto, minha avó, Elizabeth Leopoldina Gonçalves da Rocha, que foi minha madrinha de batismo, falecida em 1968, no Rio de Janeiro.

Em minha infância, passei muitos dias em sua casa tipicamente portuguêsa, que ficava no sobrado da loja do meu avô, na principal rua do comércio de Belém. Eu era a única neta, entre quatro netos. Não havia outras crianças na casa, tia Lili, irmã solteira de minha avó, vivia ocupada e minha avó rezava muito. Foi principalmente tia Lili quem me contou várias histórias da família. Ainda assim, guardo boas recordações daqueles dias pachorrentos, em que me distraía lendo Seleções e imaginando mil figuras criadas pelas nuvens. No terceiro andar, morava a família de outro comerciante, cuja casa de comércio era vizinha à nossa.

Meu tio José e meu pai – Raul Rodrigues Pereira – cursaram engenharia na então recém-fundada Faculdade de Engenharia do Pará, onde, posteriormente, ambos foram professores.

Tanto tio José quanto tia Elia, constituiram família e, posteriormente, passaram a morar no Rio de Janeiro. Meu pai permaneceu em Belém, cidade que amava profundamente e a quem dedicou, muitas vezes gratuitamente, seus melhores esforços. Ele era professor de Astronomia de campo e Geodesia na UFPA e engenheiro de um órgão federal (SNAPP, posteriomente cindida em CDP e ENASA. Na CDP, foi, até morrer, diretor portuário).

Ainda jovem, apaixonou-se por uma bonita conterrânea – Cassilda - que viria a ser sua esposa e companheira até o final de sua vida. Tiveram dois filhos: Roberto, meu irmão mais velho, nascido em 1941 e eu, que cheguei sete anos e meio mais tarde.

Roberto tornou-se engenheiro, como meu pai. Casou-se com Hilma, uma prima distante por parte de minha mãe, nascida no Rio de Janeiro. Eles moraram alguns anos em Belém e depois decidiram se mudar para o Rio de Janeiro, cidade que oferecia melhor campo de trabalho. Tiveram três filhos: Roberto, Raul e Ricardo, que lhes deram seis netos.

Eu estudei Ciências Jurídicas e Socias em Belém, na UFPA. Em 1973, já formada, trabalhando no Banco da Amazônia, conheci, em Belém, Dagoberto dos Anjos de Andrade, um jovem oficial da Marinha Brasileira, que fazia sua viagem prêmio iniciando pelos portos brasileiros.  Seis meses depois, ele voluntariou-se para servir em Belém e em janeiro de 1974, casávamos na Catedral de Belém.

Após servir três anos na região, Dagoberto foi transferido para o Rio de Janeiro. Nessa cidade, cursou Engenharia Mecânica para poder ingressar na vida civil. Posteriormente, graduou-se em Engenharia Elétrica para ampliar seu campo de trabalho, em que permanece até hoje.

O Rio de Janeiro abriu-me várias portas que me permitiram desenvolver-me na advocacia pública. Aposentei-me no cargo de Procuradora do Estado. Decidi, então, cursar a Faculdade de História na Universidade Cândido Mendes. Foi uma experiência muito enriquecedora em todos os sentidos.

Tivemos um filho, Daniel, nascido em Belém, em 1975. Daniel tinha um ano e meio quando nos mudamos para o Rio de Janeiro, onde ele estudou e obteve a graduação em Engenharia de Computação na Universidade Pontifícia Católica-PUC.

Poucos anos depois, Daniel foi aprovado em processo seletivo para trabalhar como engenheiro da Microsoft, em Seattle. Em 2007, ele casou com Jessica Gurry, norte americana, com quem teve um filho, Alexander, nascido em 2009. Eles vivem atualmente em Raleigh, capital da Carolina do Norte.

Dagoberto e eu permanecemos residindo na cidade do Rio de Janeiro.
-----------------------
(*) Procurei ater-me, o mais possível, à descrição sucinta dos fatos, sem entrar no mérito das questões aqui resumidas. Meu objetivo é mostrar um pouco do cenário político que permeava a vida dos brasileiros e de nossos ancestrais naquele distante Pernambuco, sem jamais pretender julgá-los.

Em 1821, encontrava-se governando a Província de Pernambuco o general português Luiz do Rego Barreto, enviado ao Brasil para combater a Revolução Pernambucana de 1817 que, em suma, objetivava, dentro do ideário iluminista, a independência e a instalação de um governo republicano naquela Província.

Os revoltosos haviam sido duramente reprimidos, sendo as principais lideranças enforcadas. Como muitos dos prisioneiros eram integrantes da elite pernambucana - proprietários de terra e grandes comerciantes - o impacto da repressão e o sequestro dos bens dos envolvidos despertaram grande revolta entre os pernambucanos.

Em maio de 1821, os rebeldes que haviam sido presos puderam retornar a Pernambuco,pelo fato de terem tido suas sentenças anuladas por decisão judicial, sob a influência do constitucionalismo das Cortes. Com isso, recuperaram seus direiros civis e políticos. A maioria preferiu se fixar na vila de Goiana, lugar estratégico, localizado próximo à fronteira da Paraíba, já que Recife e Olinda estavam controladas pelo Governador.

Para eles, o governador deveria ser afastado do poder, como resultado do movimento constitucionalista que eclodira na cidade do Porto. O gen. Luis do Rego era visto por seus opositores como militar repressor, estreitamente vinculado ao poder absolutista que D. João VI representava.

Esse movimento constitucionalista, que estourara no Porto no ano anterior, exigia o retorno a Portugal do Rei D. Joaõ VI, que se encontrava no Brasil desde 1808.

As Cortes portuguesas objetivaram retirar a quase  totalidade do poder do monarca e vincular a elas, diretamente, as províncias brasileiras. Portugal voltou a ser a sede da monarquia. Para lá foram transferidas as principais repartições instaladas no Brasil.

Com a administração alfandegária e o comando militar das províncias passando à esfera de Lisboa, ocorreu em certo esvaziamento do poder do governo do príncipe regente na Província do Rio de Janeiro.

Somente as províncias do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais continuaram submetidas a D. Pedro.

As Cortes exigiam, ainda, a volta do regente a Portugal. Tais acontecimentos acabaram por conduzir à decisão de D. Pedro no sentido de permanecer no Brasil, sacramentada no dia 09 de janeiro de 1822.

Nessa época, de acordo com a historiografia, havia comerciantes e plantadores da elite pernambucana tanto entre os  favoráveis `a união das províncias sob a liderança do Príncipe Regente, como entre os que pugnavam pela autonomia provincial. Muitas vezes essas duas categorias encontravam-se associadas através de interesses comerciais ou laços familiares.

Os liberais pernambucanos (ou o chamado “partido dos brasileiros”) inclinavam-se em favor da revolução “vintista” das Cortes portuguesas, sendo hostis ao Principe Regente e à permanência do Governador Luis Barreto no comando da administração provincial.

Os integrantes do “partido dos portugueses”, por sua vez, apoiavam a monarquia e a vinculação com o Rio de Janeiro e pugnavam pela permanência do Governador no cargo. 

Para eles, as mudanças constitucionais deveriam ser submetidas à vontade do Rei.

A chegada da notícia da ocorrência da Revolução do Porto, dois meses depois de sua eclosão, provocou o acirramento entre brasileiros e portugueses.
De início, Luis do Rego aguardou a definição de D. João VI para uma tomada de posição em Pernambuco. Ocorre que o Rei só veio a jurar a futura constituição em fevereiro de 1821. 
Com a implantação, em maio de 1821, na Vila de Goiana, de outro centro de poder constituído pelos ex-presos políticos,  outras mudanças viriam a ocorrer na província,  levando o governador a várias tentativas de solução política para a questão.
Havendo confirmado o juramento de D. João VI à futura constituição portuguesa, o governador decidiu criar um Conselho Consultivo para administrar a Província até que a refoma constitucional fosse estabelecida.
Foi organizada, ainda, a eleição de deputados pernambucanos às Cortes Constituintes da Nação Portuguesa, o que viria a ocorrer logo após, em junho. Dentre os deputados, encontravam-se dois oriundos do grupo chegado da Bahia.

A existência de pressões políticas, de conspirações de oficiais, de funcionários, de complôs de opositores, faziam com que o clima ficasse cada vez mais tenso na Província. O ápice deu-se com o atentado sofrido pelo governador em julho de 1821. Muitas prisões foram efetuadas e dezenas de pessoas deportadas para Lisboa e Fernando de Noronha. 

Após esse atentado, em  30 de agosto do mesmo ano, Luis do Rego convocou a Câmara de Recife para a escolha de “qualquer forma de governo político que julgasse acomodado às circunstâncias e necessidades atuais.”

A princípio, ficou decidido que Luis do Rego deveria continuar governando a província.  Foram, ainda, ratificados os poderes do chefe do governo  “que lhe foram legitimamente conferidos, dar todas as providências necessárias, não só para extinguir o motim começado em Goyanna, mas para tudo o mais que tendesse a manter a segurança pública.”

Como isso não era conveniente ao governador, que temia o aumento das divergências entre os partidos “português” e “brasileiro”, um representante foi enviado à Assembléia para informar que Luis do Rego não pretendia ficar singularmente no governo. A Assembléia, então, deliberou pela permanência do governador, juntamente com o anterior  Conselho Governativo, com modificação de alguns membros que dele participavam inicialmente.  

Consta, ainda, da ata, que esse era o “voto geral da Oficialidade da Tropa de Linha e Milícias desta Praça”.

Essa é a ata em que aparecem os nomes de nossos antepassados.

Em 01 de setembro de 1821, a “Junta de Goiana” enviou um ultimatum ao Governador, ameaçando tomar Recife caso ele não entregasse o cargo.

Algumas refregas ocorreram entre as forças das duas juntas que disputavam o poder. Propostas de acordo foram apresentadas pelo Governador à Junta de Goiana, mas foram todas rejeitadas, uma vez que permanecia a exigência da saída dele, da convocação de eleições em liberdade e da ampliação do colégio eleitoral.

Ocorre que, em 21 de setembro de 1821, D. João VI assinou um decreto estabelecendo que as províncias brasileiras passariam a ser governadas por juntas governativas provisórias cujos membros seriam eleitos por eleitores de paróquia da própria província.

As autoridades disporiam de um prazo de dois meses, contados do dia em que tivessem tomado ciência do decreto, para implementarem as mudanças. O cargo de Governador foi extinto. O comando das tropas caberia a um oficial nomeado pelas Cortes portuguesas.

Diante disso, as partes decidiram dialogar, chegando a um acordo, no dia 05 de outubro de 1821, que ficou conhecido como Convenção de Beberibe. Ambas as Juntas permaneceriam governando os territórios sob seus domínios, até que novas eleições tivessem lugar de acordo com as futuras instruções da Corte regulando a questão.
Pouco depois, Luis do Rego retornou a Portugal, juntamente com inúmeros oficiais e funcionários públicos portugueses, e uma nova Junta de Governo foi instalada, tendo à frente Gervásio Pires, o comerciante pernambucano que havia intermediado a negociação entre o Governador e a Junta de Goiana.

Em setembro de 1822, nova Junta de Governo foi formada, mas essa já se dispunha em alinhamento com o núcleo de poder do Rio de Janeiro.

Com efeito, no Brasil havia um movimento de convocação de uma Constituinte, projeto que obteve a anuência de D. Pedro. Isso reforçou a idéia de levar o país ao completo rompimento dos laços com Portugal. Nesse sentido, algumas medidas começaram a ser tomadas.

Os acontecimentos posteriores, especialmente a revogação, por Lisboa, dos decretos do príncipe e a exigência, uma vez mais, de seu retorno a Portugal, vieram a precipitar a declaração de independência proferida por D. Pedro em 7 de setembro de 1822, às margens do Ipiranga.

Ficaram vencidos, portanto, os movimentos que pregavam a continuidade da união entre Brasil e Portugal e daqueles que pugnavam por autonomia  provincial.

Em 20 de outubro do mesmo ano, D. Pedro I criou os Conselhos de Governo Provinciais que viriam a substituir as Juntas anteriormente existentes.

 As eleições para uma Assembléia Constituinte se deram conforme o previsto dentro do processo de consolidação da independência.       
                          
Todavia, não demoraria muito para que as disputas entre as correntes liberais e conservadoras, que apoiavam o imperador em suas aspirações para um Executivo forte, levassem Dom Pedro à dissolução da Assembléia Constituinte,  novembro de 1822. A Constituição viria ser promulgada em 25 de março de 1824.

Bibliografia:
- Carvalho, Marcus J.M. de, Cavalcantis e cavalgados: a  formação das alianças políticas em Pernambuco, 1817-1824.São Paulo, Rev. Bras. Hist., vol.18, n. 36, 1998
      (Disponível em: www.scielo.br/scielo)
-  Mello, Evaldo Cabral, A outra independência - O federalismo  pernambucano de 1817 a 1824.São Paulo: Ed. 34, 2004.
-  Barbosa, Maria do Socorro Ferraz, Liberais constitucionalistas entre dois centros de poder: Rio de Janeiro e Lisboa.
     (www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/v12n24a06.pdf)   
-   Fausto, Boris, História do Brasil: São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 2006




Fotos da prima Gracy Andrade

O charme de Alexander - neto de Dagoberto & Gracy Andrade

Dagoberto, Gracy e Alexander
                                                                                         Jéssica, Alexander e Daniel
Aniversario de Alexander. A nossa esquerda a avó materna - Diane, Jéssica, Daniel com Alexander, Gracy & Dagoberto. Foto tirada em Raleigh – Carolina do Norte

Certidão de Batismo de Jose, filho de José Rodrigues Pereira & Umbelina Oliveira
         


FOTOS DE GUSTAVO GIBSON

Gibsons:  Virginia, Gustavo & Sandra - Bahia
                                       

Sandra & Gustavo, com os trigemeos Danilo, Virginia e Marcelo


Sandra & Gustavo Gibson
                                                                       

Gustavo e Marcelo Gibson

Sandra Gibson - 1989 (recém casada)
Marcelo, Virginia e Danilo Gibson - Bariloche 2010
Sandra & filhos - Bariloche 2010

Virginia Gibson com os trigemeos: Virginia, Marcelo e Danilo - 2000



Marcelo no esqui - 2010

Vereador Gustavo Gibson, LULA e prefeita Marilia Campos - 2011
Danilo, Sandra, Virginia e Gustavo - Recife, outubro de 2012




Olá, Gustavo!
Rapaz, não tenho palavras para lhe saudar e dizer o quanto vc foi efetivo, perseverante e bem sucedido nesse nobre empreendimento.
Faço minhas as palavras de Nilton Gibson a seu respeito. Juntar quase 50 Gibsons num encontro furtivo, num simples jantar, foi coisa de gênio, de maestro. Com esse gesto marcante, vc inaugurou uma nova fase da Família Gibson no Brasil. É um embrião para muitas coisas bonitas que virão por aí. Meus cumprimentos efusivos.
Minha mãe está bem melhor. Ficou furiosa por estar melhor logo depois desse grande encontro, pois queria muito ir.
Cheguei a falar com o Mariano, genro do Sr. Jorge, que operou a perna. Ele agradeceu a gentileza do convite, mas não pôde comparecer pq estava em Maragogi-AL. Tenho que voltar a Recife por conta do visto, mas não sei quando vou. Talvez só em janeiro.
Gostei muito do casal inglês. Eles foram muito amáveis, divertidos e simpáticos. Espero revê-los nalgum dia.
A visão de Zenaide, do alto de seus 87 anos, com pique de 40, me deixou comovido. Que maravilha!
Sugiro que todos escrevam em seu site/blog falando sobre o GE e declinando a forma de contatá-los. É um divisor de águas na família e não pode deixar de ser alçado à sustentabilidade.
Parabéns, querido primo. Recomende-me à sua esposa Sandra. Gostamos todos muito dela.
Perdoe-me não ter escrito antes, pois fiquei muito ocupado com os processos que aguardavam minha volta.
Cláudia, Denise e Laurice gostaram muito da viagem, dos passeios e do GE. Mandam saudosos abraços. Até logo mais.
Eduardo Gibson

6 comentários:

  1. Gustavo, O GRANDE ENCONTRO será em setembro ou outubro afinal? Em que período exatamente? Por que não organizamos um encontro dos Gibsons concomitantemente, já que estamos em pleno sesquicentenário do falecimento de nosso Henry Gibson?

    Abraços e convites a todos os Gibsons e os Oliveiras para que se engajem nesse encontro.

    Eduardo Gibson Martins (edgibson@terra.com.br)

    ResponderExcluir
  2. Eduardo, a principio o GE seria em outubro mas a Sara o antecipou fazendo reserva aérea para setembro. Achei melhor porque em setembro a temperatura em Recife estará mais amena que em outubro e também eles manifestaram desejo de conhecer as Cataratas do Iguaçu e as vezes - por causa de chuvas, as Cataratas podem estar fechadas em outubro. Assim que realmente confirmarmos a vinda deles, vamos publicar no Site um convite e tentaremos juntar um grande numero de parentes. Abs, Gustavo

    ResponderExcluir
  3. Hum.....uma pergunta por que vcs querem reunir a familia? Estou curiosa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confraternização. Rever e até mesmo conhecer os parentes. Fortalecer os laços familiares. Gostaria de fazer outro. Uma pergunta: quem é você? Obrigado pelo interesse. Abs

      Excluir
    2. Eu sou taynara Gibson e vc?

      Excluir
    3. Oi, Taynara. Eu sou Gustavo Gibson, o administrador do site. Sou pernambucano mas estou radicado em Minas Gerais. Você é de onde? Encontrou algum parente seu relacionado em nosso site? Somos parentes? Você é Gibson de pernambuco? Pode acrescentar algo ao nosso trabalho? Meu email: gustavogibson@gmail.com Aguardo outros contatos. Sds, Gustavo

      Excluir

Ocorreu um erro neste gadget